terça-feira, 1 de novembro de 2011

Drummond

         
          


  "Se meu verso não deu certo, foi seu ouvido que entortou.
Eu não disse ao senhor que não sou senão poeta?"
                                   
(Epígrafe - Carlos Drummond de Andrade)

31/10/11 -109 anos do nascimento do poeta.

domingo, 16 de outubro de 2011

Conversa com educadores

O estudo da gramática não faz poetas. O estudo da harmonia não faz compositores. O estudo da psicologia não faz pessoas equilibradas. O estudo das "ciências da educação" não faz educadores. Educadores não podem ser produzidos. Educadores nascem. O que se pode fazer é ajudá-los a nascer. Para isso eu falo e escrevo: para que eles tenham coragem de nascer. Quero educar os educadores. E isso me dá grande prazer porque não existe coisa mais importante que educar. Pela educação o indivíduo se torna mais apto para viver: aprende a pensar e a resolver os problemas práticos da vida. Pela educação ele se torna mais sensível e mais rico interiormente, o que faz dele uma pessoa mais bonita, mais feliz e mais capaz de conviver com os outros. A maioria dos problemas da sociedade se resolveria se os indivíduos tivessem aprendido a pensar. Por não saber pensar tomamos as decisões políticas que não deveríamos tomar. Se você desejar saber com detalhes o que penso sobre a educação, leia os livros que se encontram na sala Biblioteca. Nas minhas conversas com educadores meus temas favoritos são: A alegria de ensinar, A educação dos sentidos, O prazer de ler, A arte de pensar, O educador como sedutor, O educador como feiticeiro, O educador como artista, O educador como cozinheiro, As leis do pensar criativo, Anatomia do pensamento: informação, razão, inteligência, conhecimento, alegria, Aprendendo a desaprender, Entre a ciência e sabedoria: o dilema da educação, Educação e política, Educação e Vida, Aprendizagem e prazer. (...) http://www.rubemalves.com.br/conversacomeducadores.htm Parabéns professores!

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

ENCONTRARTE

EncontrArte – Encontro de Artes Cênicas da Baixada Fluminense
Décima edição do EncontrArte - Encontro de Artes Cênicas da
Baixada Fluminense começa dia 22 de setembro em Nova
Iguaçu apostando no humor do circo para atrair quem ainda
não conhece o município
Os fãs de teatro do Rio e da Baixada Fluminense terão diversão garantida na
semana de 22 de setembro a 1 de outubro. É quando as cortinas dos teatros
do SESC e Sylvio Monteiro, de Nova Iguaçu, vão se abrir para as 15
montagens do EncontrArte, o Encontro de Artes Cênicas da Baixada
Fluminense, este ano em sua décima edição.
Ciente do desafio de produzir um grande evento de teatro numa região ainda
carente de iniciativas culturais de peso, os criadores e realizadores do
EncontrArte, Claudina Oliveira, Éverton Mesquita, Fábio Mateus, Mário Marcelo
e Tiago Costa comemoram a marca da décima edição enfatizando sua
importância para as companhias teatrais da região e para a democratização do
acesso à cultura.
– Acreditamos que o EncontrArte ajuda atores, produtores e diretores não só
da Baixada, mas também de todo o estado do Rio, uma vez que ele aceita
inscrições de grupos de todos os municípios. Nosso projeto foi montado
visando movimentar o mercado dos espetáculos no estado como um todo -
conta Claudina Oliveira, para quem o maior prazer com o EncontrArte é saber
que o evento oferece a muitas pessoas a oportunidade de entrar numa sala de
teatro pela primeira vez na vida. Como sempre acontece neste que já é um dos
eventos culturais mais importantes da Baixada, todas as peças terão entrada
franca.
Sobre o EncontrArte
Há dez anos, cinco produtores culturais da Baixada Fluminense colocaram em
prática o sonho de levar cultura e entretenimento de graça à região. Mario
Marcelo, Everton Mesquita, Claudina Oliveira, Fábio Mateus e Tiago Costa já
ofereceram ao longo dessa década 164 apresentações de grupos da Baixada
Fluminense ou de outras regiões e estados do Brasil. Além de promoverem
mais de 30 oficinas e homenagens a profissionais do seguimento. Em sua
última edição, em 2010, mais de sete mil pessoas assistiram às peças. Para
essa décima edição é esperado um público de dez mil pessoas,
aproximadamente.

Confira o roteio dos espetáculos em: http://www.encontrarte.com.br/festival.php

quinta-feira, 28 de julho de 2011

AMAR

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.


http://www.memoriaviva.com.br/drummond/poema033.htm

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Fragile

Sting
If blood will flow when flesh and steel are one
Drying in the colour of the evening sun
Tomorrow's rain will wash the stains away
But something in our minds will always stay

Perhaps this final act was meant
To clinch a lifetime's argument
That nothing comes from violence
And nothing ever could
For all those born beneath an angry star
Lest we forget how fragile we are

On and on the rain will fall
Like tears from a star
Like tears from a star
On and on the rain will say
How fragile we are
How fragile we are

On and on the rain will fall
Like tears from a star
Like tears from a star
On and on the rain will say
How fragile we are
How fragile we are
How fragile we are
How fragile we are

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Desert Rose


Sting



Ley leye ley leyee oh oh wow wow..

Hai beeno belep beeno
Venenha vesanowa ah dola dola dolati
Venenha vesanowa ah dola dola dolati
Venenha vesanowaa..
Ah me pasandi

I dream of rain ley le le..
Vesonowaa
I dream of gardens in the desert sand
I wake in pain a ley le le..
Vesonowaa...
I dream of love as time runs through my hand

I dream of fire aye aye..
Oh oh eh
Those dreams are tied to a horse that will never tire
And in the flames leye leye
Oh oh oh
Her shadows play in the shape of a man's desire

This desert rose leye leye
Each of her veils, a secret promise
This desert flower leye leye
No sweet perfume ever tortured me more than this

And now she turns leye leye
This way she moves in the logic of all my dreams
This fire burns leye leye
I realize that nothing's as it seems

I dream of rain leye leye
Oh oh oh
I dream of gardens in the desert sand
I wake in pain leye leye
I dream of love as time runs through my hand

I dream of rain leye leye
I lift my gaze to empty skies above
I close my eyes, this rare perfume Is the sweet intoxication of her love...

Oh mona mona mona mona mona oh....

I dream of rain ley leye
Venoha vesonowa ah no da
I dream of gardens in the desert sand
I wake in pain ley leye
Vesonowaa..
I dream of love as time runs through my hand

Sweet desert rose leye leye
Each of her veils, a secret promise
This desert flower ley leye,
No sweet perfume ever tortured me more than this
Sweet desert rose leye leye
This memory of Eden haunts us all
This desert flower,
this rare perfurme Is the sweet intoxication of the fall

Yoo..
Reliya tho reliya...

quarta-feira, 15 de junho de 2011

DIREITO DE GREVE

SOBRE ESTÁGIO PROBATÓRIO,
GLP E CORTE DE PONTO



Na década de 80, a luta dos trabalhadores assegurou o direito de reajuste anual, direito de sindicalização e direito de greve para o funcionalismo público. Esses direitos, previstos na Constituição Federal e Estadual, incomodam governos autoritários que teimam em descumprir as leis e ameaçam os servidores cada vez que os mesmos se organizam para reivindicar . Assim, agora que estamos na luta, não é de se estranhar que o governo do estado ameace cortar o ponto da categoria, cassar licenças prêmio, só faltando mandar um “kit Pelourinho” para as escolas, com ordem de 100 chibatadas em cada profissional da educação. A indústria de ameaças e boatos tem origem no autoritarismo e na falta de democracia dos governos que não aceitam a livre manifestação dos trabalhadores na luta pela defesa dos seus direitos.
Para combater esses boatos e ameaças, vamos lembrar os direitos que temos como profissionais concursados.

1) NOVOS CONCURSADOS:
O estágio probatório previsto na Constituição Federal e Estadual não anula o regime jurídico único que nos rege. Assim, mesmo sendo um estágio de três anos, “É assegurado o prazo de dois anos de efetivo exercício para a aquisição da estabilidade aos atuais servidores em estágio probatório, sem prejuízo da avaliação a que se refere o §4o do art. 41 da CF”(art. 28 da EC n 18, de 5-2-1998). Também garante que o servidor só perderá o cargo mediante sentença judicial ou processo administrativo com direito à ampla defesa do servidor (EC n19 de 4-6-1998). Vale lembrar que, na avaliação do estágio probatório, itens como assiduidade e pontualidade não levam em conta a greve - direito assegurado nas Constituições Federal e Estadual e que não caracteriza nenhuma das duas situações.

2) GLP: O decreto de criação da GLP(Gratificação por Lotação Prioritária) estabelece que
só perderá a gratificação aqueles que estiverem de licença médica acima de 15 dias (Decreto n 25959 de 12/ 01/2000). Os dias de greve não podem ser contados como falta.
Desde 2000, o Estado nunca deixou de abrir menos de 12 mil GLPs.

O valor de 10 reais/aula também se mantém congelado, o que leva o professor a aumentar o número de GLPs. Muitas escolas funcionam somente com GLPs. Isso comprova que interessa ao estado manter as horas extras, pois economiza muito dinheiro às custas da exploração da categoria. O congelamento do nosso salário acaba sendo mascarado pela GLP. Diferentemente do RET (Regime Especial de Trabalho), a GLP não poderá ser incorporada aos salários na aposentadoria.
É a pior forma de hora extra que já tivemos.

3) PONTO: O segundo governo de Leonel Brizola no Estado do Rio de Janeiro instituiu o ponto através do MCF (Mapa de Controle de Freqüência), onde são lançados os códigos. No decreto de criação do MCF consta o código 61- falta por greve. O código 61 é estabelecido como código de informação e não punitivo, como tem sido a prática da SEE. Por muitas vezes, temos conseguido negociar o abono de ponto. No governo de Garotinho, conseguimos, inclusive, que não houvesse descontos dos dias parados na greve de 2001. O corte de ponto, portanto, depende da força de nossa greve e das negociações.
.
Enfim, é importante que cada um de nós saibamos nossos direitos. Antes de acreditar em boatos e ameaças, devemos procurar saber a real situação. É hora de lutar pela defesa dos nossos direitos, como o Plano de Carreira e pelo cumprimento das promessas de valorização da educação feitas pelo governador Sérgio Cabral na campanha eleitoral de
2006. E a nossa greve é um importante instrumento para garantir salário digno e melhores
condições de trabalho. Governador Sérgio Cabral, tire as mãos do nosso plano de Carreira. Incorporação do Nova Escola já!

Sindicato Estadual dos Profissionais
da Educação do Rio de Janeiro
R. Evaristo da Veiga, 55, 7o/8o andares
Centro - Rio de Janeiro
Tel. 2195-0450 - www.seperj.org.br

domingo, 15 de maio de 2011

Fernando Pessoa


O Meu Olhar
Alberto Caeiro

O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de, vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...
Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender ...
O Mundo não se fez para pensarmos nele
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...
Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar ...
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Conflitos dos adolescentes

Olá queridos,
Após receber um e-mail mui carinhoso, percebi a necessidade de comentar o assunto.

A incompreensão, a falta de paciência e outros momentos de conflitos com os pais.

Chamamos de conflito de gerações. Apesar de dito como "normal", pode ser muito doloroso para todos.
O que posso dizer é que a mudança que queremos nos outros deve começar em nós. Assim, é preciso ter calma e que procurem entender melhor o que acontece. Sejam mais tranquilos, não revidem. Façam em si mesmos a mudança que deseja neles, e logo perceberão que tudo melhorou.
Estejam atentos também aos problemas do mundo adulto. É possível que os pais estejam enfrentando outros problemas e isso acaba se refletindo nas relações da família.
Muitas vezes é mais fácil ser cordial com quem não conhecemos, e sempre magoamos aqueles que queremos bem.
Pensem nisso...

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Jules Verne



Júlio Verne nasceu no dia 8 de fevereiro de 1828, na cidade de Nantes, na França. Seu primeiro livro foi “Cinco Semanas em um Balão”, onde narrava uma viagem aérea pela África. Com o sucesso da obra, Verne ganhou fama e dinheiro e produziu clássicos do século 19, como “Vinte Mil Léguas Submarinas”, “Viagem ao Centro da Terra”, “Volta ao Mundo em Oitenta Dias”, entre outros.
O autor é considerado por alguns críticos como um precursor da ficção científica, já que previu avanços como os submarinos, aparelhos capazes de voar e a viagem à Lua.
Verne morreu em março de 1905, na cidade de Amiens, na França. Até hoje, é um dos escritores mais traduzidos da história. Seus livros estão disponíveis em mais de 148 línguas.

http://info.abril.com.br/noticias/internet/logo-do-google-homenageia-julio-verne-08022011-1.shl

Júlio Verne



O Doodle, como é carinhosamente chamado o logo do Google, amanheceu hoje prestando homenagem ao escritor francês Júlio Verne.
A ilustração emula janelas de um submarino com as águas do mar e peixes se movimentando ao fundo.

http://info.abril.com.br/noticias/internet/logo-do-google-homenageia-julio-verne-08022011-1.shl